segunda-feira, 24 de julho de 2017

O MEU PEQUENO MUNDO





No miradouro do castelo de são Jorge,
não vislumbro todo o mundo,
avisto o meu mundo todo.

Há dias que me emociono de o ver,
estendido, assim, perante mim.

Outros em que o repudio,
com essa ideia que agora tem
de se deixar levar
por uma certa lassidão.

Arranja-se demasiado para os outros,
desarranja-se-me.
Gostava de o ver simples,
sem a cara esborratada de batons exuberantes,
como era.

Não preciso de grandes mundos,
para ser do mundo.
Prefiro-o pequeno e maneiro.

Na dimensão de o poder agarrar,
ou assim julgo,
quando encostado ao beiral do miradouro,
estico os meus braços e toda a sua extensão
até à ponta dos dedos.

E,
fechando os olhos depois de o ter absorvido,
o mundo,
imagino-me num prolongado abraço,
a apanhar com a posse toda de ser meu,

o perímetro inteiro da cidade, a que eu chamo mundo.









domingo, 23 de julho de 2017

FRASES DE AMOR






Não saem frases de amor,
Com ambição de virem a ser poesias de amor.
As tentativas, bambas, são rebuscadas.
Por decência e respeito, não se insiste.
Limitar-se a ler belas frases de amor, em doses homeopáticas,
Escritas por pessoas competentes.
Sendo tantos a fazê-lo,
Poucos os que se conseguem ler.
Leva-se uma vida e às vezes não chega,
para construir uma frase de amor decente,
Que valha ser dita.


sexta-feira, 21 de julho de 2017

ONTEM - FOLHETIM 7




Eram duas perinhas em maturação, a seguirem canonicamente o ciclo de crescimento para a perfeição. Não, dois montes. Exemplares. Não era inevitável olhar, era cola, não despegavam daquele regozinho, no vale acentuado, que quasi escondia mostrava esses dois montezinhos tão sensuais, uma escalada suave ao paraíso e ainda não se sabia o peso dessa palavra – sensual – na afinação das mecânicas do mundo. Mais tarde.

“Minha só minha”, todos repetiam, reclamando para si o que nessa idade ou outra, jamais se pode vir a reclamar como seu: um usufruto que pratica o funambulismo no fio da navalha, às vezes com muito custo, a preço de incontáveis concessões. Mas apetecia dizer, saía, sem se saber porquê, uma coisa atávica, um despertar das células, muitas em uníssono, uma pulsão forte fora da possibilidade de qualquer controlo da razão, nem mesmo para os que iam cursar gestão.
Dizia-se cursar naquela altura.

Mais do que um brinquedo - todos os brinquedos - dão-se todos sem remorso, para estar ali, ser o escolhido, no momento crucial, e tocar. Depois de acontecer, e a ser possível, depois desse primeiro toque ambicioso mas trementemente inseguro, acontece uma revolução na cabeça: com a descoberta do prazer da sexualidade, algo que não se descreve, nem uma aproximação disso,  despirolitam,  alguns todo o seu resto de vida, que nunca voltará aos eixos da temperança, de construir uma carreira, família e deixar património e essas coisas e outras tantas da gente séria.
Esse míssil de adrenalina a circular no sistema linfático à velocidade da luz, era uma coisa diferente, nova, com a qual não se sabia lidar - uma coisa intensa de dois (só assim) - e nem mesmo mais tarde, décadas.

Nos recreios da escola ela (Teresa, que nome mais delicioso) desinquietava e nem sequer era a mais bonita, mas era a mais vistosa: uma loura de olhos verde-esmeralda cristalino, desinteressadamente em todos os poros da sua pele,  anémica, até nos sentimentos e emoções. Muita frieza para um futuro organizado, mas pueril. Era essa a mais bonita, mas morreu na praia como se costuma dizer, ou seja enfadonha, gastou todo o futuro na cansativa tarefa de ser fútil. Perdeu a graça.

Teresa sobressaia porque era ousada, solta, sem os filtros nem os códigos submissamente aceites de dois géneros distintos em tudo,  habituados a viverem juntos mas separados em tudo o resto à excepção do hábito de terem que se ver juntos e cumprirem os ditames de Deus, da Pátria e da Autoridade.

Espantava pela sua liberdade, indomável. Parecia retornada, mas não era.

Vivia no prédio ao lado, o da porteira polícia com buço pronunciado e pelos nas pernas que se viam, e grandes.  Nessa condição, de privilégio, fora das horas de escola, no livre trânsito do tempo livre vinha juntar-se aos miúdos do prédio (hora feliz), e vinha despojada e leve do seu soutienzinho, encantador por certo, mas que impediria – a trazê-lo posto - a recordação de reconstruir esta memória cinquenta anos depois. Bendita libertação a sua, tão cedo e bem, numa altura turva, indecisa, em que os blocos de gelo começavam a derreter (imagem linda).

Andava ela nisto e era um impasse. Não para ela que andava normalmente, mas para a rapaziada, em conluios do que fazer a seguir, que passos dar, ou seja tocar, de preferência aprofundadamente, e se houvesse rejeição o que fazer, logo se veria.

O ideal mesmo era cada um por si, pelo que os conluios era mais para saber se havia alguém avançado em método e coragem, que estivesse mais bem posicionado para arrebatar a sua atenção, para esses inícios de brincadeira que à falta de melhor se designa como picardias de desequilíbrio hormonal. Ela estava mais do que matura, em todos os sentidos, e sabia muito bem ao que ia, a fazer de propósito, a revirar a cabeça dos rapazes, que até na bola já não marcavam golos.

Dois estavam bem colocados no seu possível interesse, um terceiro seria segunda escolha, nunca fiando, este é um assunto em que não há amigos, o livro de histórias do mundo está pejado de adultérios dos amigos aos próprios cônjuges de cada um. Como se valesse a pena, mas há quem o pratique.

A mãe era uma vedeta da moda, comentavam lá em casa. Excêntrica, tinha cabelos com cores fora de comum, pintava a cara exageradamente, tinha roupas vistosas e com muitos folhos, fumava cigarros na ponta de uma longa boquilha preta. Fazia-o com pose. Fumar, uma inspiração-expiração aparentemente simples era toda uma peça de teatro. Dava gosto assistir.

 O irmão mais velho, interno algures durante a semana, era o melhor génio da rua inteira. Cientista mesmo. Todos o consideravam por isso, mas ninguém sabia de que ciência era ele cientista. Uma incógnita, o que aumentava a aura que o rodeava. Alimentava conversas, suposições, apostas. Aparecia raras vezes ao parapeito da janela, nunca foi visto a brincar.

Mais tarde confirmou-se que entrou em engenharia astrofísica, curso novo num país que ainda estava nas fraldas da idade mediana.

Deve ter sido nessa universidade que a conheceu, apaixonou-se pela primeira e única vez, ela nem olhou para ele, deu-lhe alguma esperança (ou foi a sua imaginação fértil a trabalhar mal) , engravidou de um sedutor encartado de tez bronzeada que passava a vida no café do bairro. Eram de África os dois,  ou era do calor que eles ganhavam liberdade cedo, ou era do que fosse, sabiam a cartilha toda. Nós no pastel de bacalhau e eles já na chamuça. Muito à frente.

Ele enlouqueceu dela, o nosso físico celestial, e derramou o futuro nisso.  A rua, o bairro, perdeu o seu único cientista ainda não famoso mas que podia muito bem ter sido. Criou-se um vazio: perdida a esperança, não se via mais nenhum com perfil para vir a ser famoso, o que na realidade não aconteceu. Esbateram-se todos.

A irmã era linda e de louca, só nos punha a nós. De quantos sonhos interrompidos, convulsivos, intensamente físicos, foi a responsável. Naquele curto tempo de transição entre idades, pôs o pátio num alvoroço.

O António era um dos dois que estava em vantagem: com uma boa prática de afagar seios (as sopeiras eram sempre bem escolhidas, ou podia ser só coincidência serem todas fartas e hirtas) e tinha igualmente um livro proibido - banda desenhada - que contava pormenorizadamente a história de um herói que aparecia de prancha em prancha em posições engraçadas e sempre na companhia de uma recheada rechonchuda mulher.

O António encontrou o livro debaixo da cama, no quarto dos pais. Como é que terá ido estacionar aí? Mistério, mas ficou com ele. Até ver.

Sendo o sorteado, na lotaria da Teresa o escolher a ele, já tinha planeado tudo na cabeça, plano “B” e tudo. Convidá-la a verem juntos o livro, sentados no chão do corredor de um dos andares, ninguém os via. Tinha vantagem sobre os outros: foram os primeiros a darem um beijo na boca, um ao outro, pelo menos ele, e já não era a primeira vez que se encostavam não propriamente até esborracharem em insuficiência anaeróbica, mas com tensão suficiente para sentirem alterações fisionómicas súbitas de orgãos antes adormecidos. Nessas situações ela ficava ofegante e ruborescida. Ele nem se sabe como ficava. Pateta.

Deu-se a oportunidade num dia de chuva mas de calor intenso, suado. Os calores relaxam a e desabotoam os botões das camisas. Ela veio brincar com a irmã do António e não há dúvida que vinha cheia de calor. Os seus Olimpo – tinha dois  – simétricos, perfeitos, cheios, pareciam que queriam rebentar. Era porque tinha subido as escadas a correr, três andares, estava ofegante e despenteada, a rebentar.

O António, nervosíssimo, castamente excitado, a ver se tinha uma oportunidade para lhe chegar à fala. Ela inclinou-se propositadamente para o beijar na cara fazendo antever o que seria uma escalada gloriosa aqueles montes divinos, para pagar uma qualquer promessa, uma purificação.



A ver no que vai dar.


quinta-feira, 20 de julho de 2017

A METAFÍSICA










Temos a importância do peixe,
Da medusa, a lindíssima mas perigosa medusa.
São o que são, incontornáveis.
A coruja com os seus olhos desconcertantes,
Um pássaro atestado de personalidade.
As flores, com todos os argumentos para serem adoradas.
As pedras que são preciosas e faíscam muitos brilhos.
E os homens.
As mulheres e os homens, dúbios mas únicos.

Temos ocasos arrebatadores, a revolver o nosso interior de sentimentos.
E as doces albas, o renascer da eterna esperança.
A noite, o dia, a lua, o sol,
E o encadeamento sincronizado do claro e do escuro,
Que estas nos oferecem.

Temos isto tudo e mais o que não foi nomeado.

Nesta diversidade de arregalar a vista,
Mergulhados numa inesgotável admiração,
A metafísica é tempo perdido.

Tendo à mão a simplicidade das coisas como elas são,

Não é sensato complicar-nos a vida.


quarta-feira, 19 de julho de 2017

VIOLENTAMENTE






Desejo que me beijes violentamente
Porque eu não sei como chegar a ti
E beijar-te violentamente.
O que queria,
Mas não arrisco.
Não ia resistir a num movimento brusco de rejeição,
E perder numa oportunidade,
As poupanças de esperança acumuladas no meu depósito
Do futuro.
Quem vou amar depois de ti?
Que nunca oficializámos, nem o faremos,
Já que este desvario de paixão antecipada,
Nunca passou dos limites da minha cabeça,
Hoje ao almoço,
Quando entre o panado de frango,
Olhava para ti na mesa em frente
E imaginava que te iria beijar violentamente,
E tu perdida.






terça-feira, 18 de julho de 2017

CLARO - ESCURO





Do movimento constante das coisas, o sol ganha proeminência sobre a lua, com uma pontualidade irrepreensível.
Consequentemente e sendo um desafio dos dois, ela não concorda, e para que não se fique por aí, faz o mesmo proeminentemente. 
Andam há eternidades nisto, numa dialéctica pessoal.
Dia e noite e dia....
O que é bom: haver quem continue a cumprir diligentemente a função que lhe cumpre.
São um exemplo animador.





SINOS







Os sinos da minha aldeia,
Uma ideia que tenho da minha aldeia,
Badalam as horas certas
E anunciam acontecimentos e factos.
Não tendo religiões
O que seria eu sem os sinos da minha aldeia.
É um conforto serem sonantes,
Justificam- me.
Conto com eles,
cumprindo-se como sinos que dão horas,

acredito na existência de uma aldeia minha.
Mas não.